31.12.10

Outside

 

Sempre sente que precisa de um pouco mais de blush na face e de peito para preencher o decote. E é assim que sempre começam os dilemas da tortuosa vida de Olga. Noites difíceis, aquelas. Onde a necessidade de agradar sobrepõe-se a qualquer resquício de amor-próprio. Onde as oitocentos e cinqüenta e quatro roupas do armário tornam-se incapazes de ajudá-la a produzir uma aceitável imagem no espelho. Sempre culpa do volume dos seios, ou ausência deles.

Depois de anos de análise, a doce e sinuosa menina descobriu que esses eram seus melhores e maiores motivos para desistir. Das noitadas, sorrisos congelados e abraços e braços fugidios no final da noite.

Não importa quão grande fosse seu medo de enfrentar a realidade, ela sabia que com faces rosadas e busto à vista, tudo fica mais fácil de encarar. Sejam guerras internas ou um possível amor.

Ensaia poses. Bocas. Caras. Cantarola alguma verso de I wanna hold your hands, talvez tenha sido esse mesmo, três ou quatro vezes, quase como um mantra. E lembra que precisa ser forte. Concentra-se novamente nas caras e bocas. Cruza as pernas e procura alguma forma de parecer sensual. A noite parecia propícia para assumir esse papel.

Enquanto espera, senta no bar e sente-se como se já se tivesse secado três garrafas e meia de vinho. Prefere não se arriscar e pede um Martini. Mais uma vez concentra-se e tenta externar o seu espírito e instinto Mimi Rogers.

Era ele. Qual deles? No fundo e a essa altura do campeonato, isso é o que menos importa. A embriaguez é o foco, a companhia há tempos tornou-se mero detalhe. Isso ocorre desde que destruiu o que ainda restava dos argumentos para permanecer em uma vida a dois. Era o que precisava ser feito para poder pisar firme e ir além dos tijolos amerelos de Dorothy.

E foram conversas. Talvez abraços. E mesmo assim, aquela distância abismal já tão presente e conhecida de meses - quem sabe, anos. Mas nada tão real e convincente quanto o vento noturno que entrava sorrateiro e brincava de leve com os seus cabelos claros.

E tudo que começa com o blush e peitos, sempre acaba no final daquela mesma calçada. As mãos já desconectadas. Ela segue adiante. Ele dobra a esquina. Tão óbvio. Tão clichê. Sem pontos ou vírgulas. Sem emoção. E decisivo.

31 comentários:

  1. "Ô, Olga! Ô, Olga"! A Olga e seu medo de se entregar sem reservas. Fala pra ela que a vida é uma novela mexicana.

    ResponderExcluir
  2. .

    Seja sempre bem-vinda Talita!
    Sua presença me enche de sorrisos.


    Muito bom o seu texto!

    Que o novo supere todos os seus sonhos e expectativas.

    Feliz 2011 !!!

    Beijos e sorrisos

    .
    .

    ResponderExcluir
  3. Uma vida superlativa, desconhece coreografias medíocres. Vem tudo pronto. Acontece, não produzo nada. Seriam os personagens de Lope de Vega, da "Arte de ser feliz ", de Cecília Meireles? Não sei.


    Sei porém que não existe ninguém, aqui de onde estou, ninguém que conheça a estrada de tijolos amarelos. Porém, não há nenhuma melancolia na constatação. Importa que eu vá descrevendo, a viagem que faço, da minha nave tresloucada, porque um dia, algum espírito errante, haverá de encontrar um roteiro. Não é meu, o eu não existe

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo o blog querida!
    Amei passar por aqui, já estou seguindo...
    Beijos, Deus abençoe

    ResponderExcluir
  5. Oiee linda... to passando apenas pra deixa meus votos de otimo 2011... felicidades!bjos

    ResponderExcluir
  6. .

    Este é um dos BLOGs mais bonitos
    que eu já visitei. Vou segui-lo
    e adoraria se ELE seguisse o MEU.

    silvioafonso





    .

    ResponderExcluir
  7. Seu talento é gritante... Também adorei seu blog... Parabéns... Estou seguindo

    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Não sei se sinto pena de Olga ou se fico irritado por ela deixar a vida passar pela frente ao invés de vivê-la. Enfim, gostei muito daqui, da sua maneira de seguir e voltarei quando possível.
    Parabéns pelo blog.

    Bjs e feliz 2011.

    ResponderExcluir
  9. Adorei o seu texto e sua passagem pelo meu blog.
    Que seu ano seja repleto de realizações!
    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  10. Flor, adorei o post. E quem de nós nunca viveu tal situação? Realmente é isso que ocorre e descrevestes muito bem as noitadas da vida. Geralmente, terminam em solidão.
    Beijo e feliz 2011!

    ResponderExcluir
  11. Tudo passa, se renova, não se explica.
    Basta viver!

    ResponderExcluir
  12. A resistência é filha de um trauma ou do desconhecido. Talvez ela seja um misto dos dois, pai e mãe? Abraços Talita, aliás, o meu primeiro de muitos nesse 2011, que lhe desejo ser muito bom todos os dias. paz e bem.

    ResponderExcluir
  13. Você quem escreveu? Ficou lindo lindo.
    Feliz 2011.

    "Ela segue adiante. Ele dobra a esquina. Tão óbvio. Tão clichê. Sem pontos ou vírgulas. Sem emoção. E decisivo."

    ;)

    ResponderExcluir
  14. Passei para conhecer seu blog, encantador.Belo texto, parabéns e tudo de bom pra você, se puder visite meu blog, beijos.

    http://ventosnaprimavera.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Bem merecidos selos pra ti
    http://versosjogadosnochao.blogspot.com/p/selinho.html

    Beijos ;*

    Lindo o teu blog!

    ResponderExcluir
  16. Oi flor ♥
    Beem?
    Adorei o post ^^
    - Xeriinho bem grande.
    Vou te seguindo!!!

    www.lojazart.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. O medo de se entregar é um dos piores medos!
    Amei o texto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Texto bacana, hein, Talita!?

    Você escreve muito bem, garota! Parabéns!

    Um 2011 maravilhoso pra você, repleto de amor e alegria!

    AbraçãoO!

    Pedro Antônio

    ResponderExcluir
  19. Adoreeeei o texto e identifiquei-me como os conflitos!
    Beijos querida =**

    ResponderExcluir
  20. Cada vez mais encantador aqui sabia? Tava com saudade, um feliz 2011 cheio de coisas boas pra você. Toda paz, luz, amor, sucesso e sorte...

    Beejo,beejo. =)

    ResponderExcluir
  21. Olga, Olga. Um medo que a faz agir sem cuidado. Sem amor a ela mesma.
    Que texto ótimo, viu?

    Beijoca, flor.

    ResponderExcluir
  22. adooorei o blog floor, parabéééns!
    estou te seguindo, me segue?
    girls-sos-girls.blogspot.com
    O meu blog é direcionado a todas garotas, voce vai gostar!
    beijoos :*

    ResponderExcluir
  23. O medo, sempre o medo a nos assombrar..
    Bem sei o que é isso, de formas distintas.
    Lindo.

    ResponderExcluir
  24. O teu texto descreveu perfeitamente o dia a dia de grande parte das mulheres. Me vi em alguns detalhes e a total oposição em outros. Não pude deixar de rir com essa parte: "A embriaguez é o foco, a companhia há tempos tornou-se mero detalhe." Porque, às vezes, isso é um fato indiscutível.
    Adorei!

    =*

    ResponderExcluir
  25. Estou seguindo, parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  26. Olá...

    que delícia de blog, textos maravilhoso, imagens significativas, amei seu cantinho.

    Seguindo-te.

    se puder passar pelo meu cantinho:
    http://tatapalavrasaovento.blogspot.com

    será muito bem vinda!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  27. Oi, Talita! Voltei para dizer que você faz falta aqui na blogsfera. Tudo bem com você? Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  28. Talita, seu blog é tudo de bom!
    Parabéns pelos textos lindos!
    Abraço.

    http://raquellribeiro.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Fale agora ou cale-se para sempre.