3.4.10

Renovação.

Por dias seguidos eu fechei os olhos para tudo que estava acontecendo de errado. Olhava para os dois lados e fingia que não era comigo. Desviava, com um tom de brincadeira, de todos os alvos que jogavam para me atingir, mas no fundo, bem lá no fundo, sabia que mais cedo ou mais tarde a casa iria cair. E, realmente, caiu. Caiu e destruiu o lado mais fraco, é óbvio! Afinal, regras são regras. O meu caso não poderia ser exceção.
Tive uma Quaresma de “Cão”. Que Deus me perdoe o tom da palavra. Porém não existe outra que melhor defina esse período pós- carnaval, Ele bem sabe disso e me entenderá.
Como Jesus, fui traída e tive cara a cara com maiores sofrimentos, injustiças e humilhações. Caí e diversas vezes levantei, porque também tinha dentro de mim a promessa de um tempo melhor. Aqui o meu oásis sumiu, virou deserto também. Bem me disseram que era só miragem.
Na sexta-feira eu também morri. Morri na certeza de renascer. Morri com um forte sentimento de fênix. Confesso, também matei. Incertezas e medos tiveram que ser exterminados.
A promessa veio do alto. E por isso, a certeza habitou em mim.
Hoje é sábado. Aleluia. Tirarei o luto.
De costas para o resto do mundo. Braços abertos para a felicidade, vejo no mar todas as respostas que sempre procurei.
A cruz é pesada, mas as tormentas sempre passam. No fim de tudo vem a Páscoa cheia de vida. Vida nova. Plena em renovação.


"Persecuted, but not forsaken; cast down, but not destroyed."


"No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos crescidos, estamos atentos, estamos mais vivos
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer
No novo tempo, apesar dos perigos
Da força mais bruta, da noite que assusta, estamos na luta
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver
Pra que nossa esperança seja mais que a vingança
Seja sempre um caminho que se deixa de herança
No novo tempo, apesar dos castigos
De toda fadiga, de toda injustiça, estamos na briga
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer
No novo tempo, apesar dos perigos
De todos os pecados, de todos enganos, estamos marcados
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver
No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos em cena, estamos nas ruas, quebrando as algemas
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer
No novo tempo, apesar dos perigos
A gente se encontra cantando na praça, fazendo pirraça "
( Novo Tempo - Ivan Lins )

3 comentários:

  1. Seja lá o que tenha acontecido, é a promessa de dias melhores que nos leva pra frente. É a luz-piloto, é saber que, mesmo que muitas cortinas sejam colocadas sob a luz, a fim de se trazer trevas, a luz continuará lá, brilhando. Admiro a tua força. Sei demais do teu potencial e não há nada que possa te fazer sentir inferior sem o teu consentimento. Assim dizia Eleanor Roosevelt. Te desejo plenitude! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. De promessas também está sendo o fim dessa quaresma, pra mim. E da mesma forma que você, também estou passando pelos meus maus bocados. De qualquer forma, ser fênix é a única solução agora. Boa Sorte!
    Um beijo.

    ResponderExcluir

Fale agora ou cale-se para sempre.