16.4.10

"À noite, todos os gatos são pardos."


Pelo que sei, a curiosidade, até agora, só matou o gato. Não tenho nada a perder, se caminhar um pouco pelas suas palavras, basta prestar atenção no caminho para saber voltar.
Outra coisa que também aprendi é que olhar não tira pedaço e nem é pecado. Então, posso, de consciência tranquila e de bem com o Céu, analisar por uns segundos suas imagens e alma exposta no retângulo vertical de cores.
E se o apressado come cru, eu irei transformar os segundos em horas para poder apreciar tudo vagarosamente até que o bom fique bem passado e seus pensamentos passem (a ser) para mim.
A única aula que perdi foi aquela em que a professora deve ter falado persuasivamente, com sua voz rouca, que tudo demais é veneno.Talvez seja por isso que nunca dei muito atenção para as plaquinhas de PERIGO. E sempre dispensei as doses homeopáticas.
Agora, estou pagando o alto preço da minha distração, apreciando demasiadamente as exclamações dos seus sorrisos e a tentar procurar respostas para a interrogação do seu olhar, sentindo os efeitos colaterais da dose cavalar. Mas sei que tudo passa. Vontade passa. Até o tal do fascínio também passa. Um dia, as reticências ficam resumidas em ponto final. No nosso Happy ending em histórias separadas. E enquanto ele não chega, vou apertar o Carpe Diem contra o peito até que ele grude em mim.
O que importa agora é o momento. Eu quero. Você quer. Diversão. Apenas. Hoje.
E amanhã. E depois. E depois. E depois.
Depois? E agora? Agora tá tudo errado. O tempo passou e todos os dias viraram "hoje". O hoje que acabou esquecendo-se de virar ontem. Esqueceu o caminho de volta para casa e que a rua onde mora chama-se passado.
Será que é por causa disso que os meus pensamentos estão sempre com destino ao (nosso) futuro?!
Já nem sei direito o que fazer, já perdi até a capacidade de pensar. A única coisa que me consola é que depois da tempestade, vem a bonança. E enquanto a bonança não vem, vou ver o que posso fazer de melhor com essas águas. Afinal, quem tá chuva é para se molhar.
E acaba ficando tudo molhado mesmo. Principalmente quando a vara - que, felizmente, não é curta - cutuca a onça. Apesar de todos os pesares somos prevenidos, não temos tempo, dinheiro e disposição para remediar. E foi nesses breves momentos que digitais foram ficando inocentemente em mim , sem saber não há marcas que o tempo não apague. E no planeta onde habitamos - o dos macacos - existe uma regra clara: cada um deve ocupar seu galho. Como boa cidadã, cumpridora das leis, foi isso que fiz.
Achei também que esta era uma ótima oportunidade para libertar o pássaro que estava preso em minha mão. Sempre achei mais prazeroso apreciar a beleza de cem voando. A vida é assim. E gosto não se discute.






"Nós, gatos, já nascemos pobres
Porém, já nascemos livres
Senhor, senhora, senhorio
Felino, não reconhecerás"

- Vanessa da Mata

13 comentários:

  1. Muito bem construído seu texto, bem metaforico, mas de facil entendimento.
    E concordo plenamente com ele.
    Bom fim de semana, beijos.

    ResponderExcluir
  2. Isso é muito mais que coisa de menina. É coisa de gente muito grande. Mas é grande no sentido de elevada. Muito belo! Abração. paz e bem.

    ResponderExcluir
  3. bela estrutura seu texto!!!
    adorei o post =D

    beiijo querida

    ResponderExcluir
  4. Que beleza de texto, amiga! Amei!
    Abraços e beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oiiii, obrigada por suas visitas nos meus blogs!
    Bjkas e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  6. Tem digitais ficando em mim também. Era pra ser carpe diem, mas não está sendo mais.
    Morro de medo dessas coisas.
    Um beijo, menina.

    ResponderExcluir
  7. Nunca consegui viver o tal do "Carpe Diem" ou "Carpe Noctem" que fosse. Oportunamente, você faz um apelo sobre "cativar" e eu, como fã incondicional do "Le Petit Prince", poderia dizer também que "a gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar". Porém, como alguém pode viver sem cativar e se deixar ser cativado? Esse tal de "aproveitar sem compromisso" existe mesmo? Quem souber, por favor, me ensine a receita e com este alguém, terei uma dívida eterna de gratidão. Beijos, Talita!

    ResponderExcluir
  8. Gostei do teu Blog/Site e apartir de agora vou passar a ser seu seguidor, e ainda vou te acompanhar! \o/ (Não me leva pro mal caminho ein.) Então sabendo disso, me faça querer voltar ein!, rs.

    ResponderExcluir
  9. Adorei seu jogo de palavras, Menina. E posso dizer, sem exageros, que já passei por situação bastante semelhante. No meu caso, não criei muitas expectativas por causa de antigas histórias vividas. Contudo, como "águas passadas não movem moinhos", fui me libertando. Até que a água mole bateu tanto na pedra dura, que ela furou...e eu me apaixonei. ;)

    ps: vc tem bom gosto para layouts!

    ResponderExcluir
  10. Gosto daqui!
    Passando pra deixar um beijo!

    ResponderExcluir
  11. Muito interessante sua crônica! Gostei demais!
    Sabe que o L.F. Verissimo tem uma crônica assim, com certos ditados populares. É muito legal!
    Você fez parecido com o Verissimo, só que a dele é uma historinha de ficção. E é dele, né!

    Sempre com um bom gosto aqui!

    já se preparou para ver Alice no cinema? Já releu antes de ir ao cinema?

    um beijo

    ResponderExcluir

Fale agora ou cale-se para sempre.