9.4.10

Além da imaginação

Tudo andava calmo. Eu aqui. Você aí. Como sempre.
Até que, subitamente, algo mudou. Eu mudei. Você mudou.
Mudou a latitude, a longitude.
Você voltou. A vontade voltou. E fez todos os sentimentos e sensações acordarem. Mais vivos do que nunca. Fortes e determinados, apesar de sedentos e famintos.
A terceira pessoa expulsou todos os “S”,cansou de ser plural, voltou a ser única. Único. Ele. Todo maiúsculo e singular.
Agora já ocupa todos os espaços, todos os pensamentos, todas as letras e melodias. Invadiu cabeça, corpo, alma, coração e tudo que viu pela frente. Daí mesmo sem sair do lugar.
Chegou botando (des) ordem na casa. Culpa minha. Da esperança. Culpa das portas sempre abertas.
Enquanto isso, vou ficando pequenininha, bobinha, felizinha, quem sabe até apaixonadinha. Diminutivo. Os sentimentos no aumentativo têm esse poder sobre mim. O pouco sempre é muito. E sempre muito bom.
Enquanto isso, vou sentindo e observando a realidade de olhos fechados.
Vendo o esforço dos sentidos de superar as reticências. De provar, cheirar, ver, ouvir e, principalmente, tocar o impossível.
Olhos atentos e largo sorriso no rosto. Cara a cara. O encontro necessário. Afinal, beijos, abraços, vontades, carinhos e, acima de tudo, sentimentos ficam sempre meio perdidos em um papel. E, principalmente, em nossa imaginação.




"Já percebi que não vou aguentar
A qualquer hora eu sei que vai voltar
Um sentimento que não tem fim
Me conquistou foi só sorrir pra mim
Não vai cessar essa vontade de te ter por perto
Só pra te olhar
Pois sei que ter você é impossível

Já percebi que não vou aguentar
A qualquer hora eu sei que vai voltar
O pensamento de ter você
Fico contando as horas pra te ter
Se quer me usar esteja à vontade
Só quero estar
Pois sei que ter você é impossível

Já percebi que não vou aguentar
Quero estar com você olhando só pra mim
Já não satisfaz te adorar assim
Pois de longe eu sei que posso te mostrar
Tudo aquilo que eu sei que espera encontrar
Só não vou correr, não vou apressar
Eu espero o momento certo de te encontrar
Cheguei perto, e agora, o que vou dizer?
Sei que ter você é impossível
"
(Impossível - Seu Cuca)


*Crédito da imagem: http://weheartit.com/entry/1903607

13 comentários:

  1. Lindo post. Enquanto lia lembrava de vários posts que fiz em momentos assim: De espera, de esperança. Um em especial: "Ás vezes e sempre você", postado em fevereiro. Se quiser e puder, passa lá no Molhe-se. Beeejo.

    ResponderExcluir
  2. As vezes o inesperado vem à tona, né?
    Pelo visto estamos vivendo momentos bem parecidos, rs

    ResponderExcluir
  3. esperança, ate que enfim!!!

    ResponderExcluir
  4. "Enquanto isso, vou sentindo e observando a realidade de olhos fechados"...

    não é melhor abrir - los?

    ResponderExcluir
  5. o inesperado é a surpresa(desagradável ou não) que tras pra cornia o susto. PA!

    http://guilg7.blogspot.com/

    vlw

    ResponderExcluir
  6. Oi! Você comentou num texto meu do recanto das letras e eu acabei lendo alguns seus, como o desse post. Só tenho a dizer: belas palavras e belo blog! :)

    ResponderExcluir
  7. I`m liking how things are changing! =)

    ResponderExcluir
  8. É incrível como me encontro nos seus textos. E como sei do quanto são bons esses sentimentos que ficam guardados, vinhos esperando um bom momento para serem abertos e desfrutados. Enquanto estiver cara a cara, aproveite menina!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. que texto lindo, adorei muito, diz tudo que a gente sente!!!!
    Beijos também adorei estar por aqui!

    ResponderExcluir
  10. "Uma noite ela me disse:'quero me apaixonar', como quem pede desculpa pra si mesmo. A paixão não tem nada a ver com a vontade. Quando bate, é um alarde de um louco desejo!" (Lobão) É isso aí! Abraços

    ResponderExcluir
  11. Obrigado pelo comentário, e parabéns pelo teu blog. Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Gostei do teu também. Aliás, gostei muito dos textos. Agora, que sei o caminho, virei mais vezes, experimentar e ser experimentado.

    ResponderExcluir

Fale agora ou cale-se para sempre.